Saúde interdita hormônio de crescimento Biomatrop

Saúde interdita hormônio de crescimento Biomatrop

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, interditou cautelarmente todos os lotes do hormônio de crescimento Biomatrop® 4 UI (Somatropina), produzido pelo laboratório Aché-Biosintética. A medida foi tomada depois de cerca de 30 pacientes terem apresentado reações adversas (processos alérgicos) após o uso.

A Secretaria de Estado da Saúde recomenda que pacientes em tratamento com o Biomatrop® interrompam seu uso. “Estamos tomando essa medida preventiva para evitar que mais pessoas apresentem reações alérgicas pelo uso do hormônio de crescimento”, disse o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.

“Como temos mais de 2 mil pessoas que recebem esse medicamento pelas farmácias do Governo do Estado, vamos garantir a substituição do produto em, no máximo, dez dias”, afirmou. 

A Secretaria de Estado da Saúde notificou oficialmente a Anvisa e o laboratório produtor sobre a interdição cautelar. “Solicitamos que as farmácias que possuem o medicamento em estoque o retirem da área de venda”, afirmou o diretor do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, Paulo Costa Santana. 

Somatropina

A Somatropina é um hormônio de crescimento usado por crianças com baixa estatura. No Paraná, além da venda no comércio, o Biomatrop® 4 UI é distribuído nas unidades do programa estadual Farmácia do Paraná, nas 22 Regionais de Saúde.

Atualmente, 3.378 pessoas fazem uso contínuo de Somatropina no Estado através do Sistema Único de Saúde (SUS). Do total de pacientes que recebem o hormônio de crescimento nas farmácias estaduais, 2256 utilizam o Biomatrop® 4 UI e 1122 utilizam a Somatropina 12 UI. Estes últimos não precisam interromper o tratamento.

A Câmara Técnica de Endocrinologia Pediátrica, composta por médicos e professores da área, emitiu um parecer oficial que considera necessária a interrupção do uso do Biomatrop® 4 UI.

Eventuais dúvidas sobre a medida adotada poderão ser sanadas através da Ouvidoria Geral da Saúde pelo telefone 0800 644 4414.

Deixe seu Comentário